Produto Eterno Bruto

by Sopas de Chavalo Cansado

/
  • Streaming + Download

     

1.
2.
3.
4.

credits

released June 21, 2015

Cláudio Campos - Baixo
Duarte Ribeiro - Guitarra
Manuel Ramos - Bateria
Ozzi Silva - Voz

Todas as músicas por Sopas de Chavalo Cansado
Todas as letras por João Ribeiro

Management por Paulo Diva

Produzido por João Martins para OFIUSA DANADA PRODUÇÕES ARTÍSTICAS

Gravado e misturado por João Martins no Estúdio Palhaço
Baterias gravadas por João Martins e Sérgio Milhano no Estúdio PontoZurca
Masterizado por Rui Dias

Conceito gráfico por Sopas de Chavalo Cansado, Hélio Arcanjo e João Ribeiro
Trabalho gráfico por Hélio Arcanjo
Fotografias por Paulo Diva
Pinturas por João Ribeiro

tags

license

all rights reserved

about

Sopas de Chavalo Cansado Almada, Portugal

Cláudio Campos - Baixo

Daniel Torgal - Bateria

Duarte Ribeiro - Guitarra

Tiago Estrela -
Voz

contact / help

Contact Sopas de Chavalo Cansado

Streaming and
Download help

Track Name: O Meu Coração Não Tem Cor
Do céu postiço
Nenhum grito vem
Nem um feitiço
Nem pai nem mãe

Do céu que arde
Que na pele é dor
Dizem é tarde
O ódio é amor

O meu coração não tem cor
O meu coração não tem cor

Do céu vermelho
Pergunto quem sou
Diz o novo ao velho
O tempo parou

Do céu azulado
Vêm gotas de nada
Do homem errado
À pele enganada

O meu coração não tem cor
O meu coração não tem cor

Do céu amarelo
Gritam-me a raça
No chão que é belo
Enterro a taça

Do céu infinito
Cai uma estrela
Rasga-se o mito
O deus é dela

O meu coração não tem cor
O meu coração não tem cor
O meu coração não tem cor

O meu coração não tem cor
O meu coração não tem cor
O meu coração não tem cor
O meu coração não tem cor
Track Name: Campo de Concentração
Na voz que não se cala
No olhar que não sente
Grita dor que não fala
Saudade consciente

No homem que nada sabe
No homem que acredita
Mora o peito que se abre
Consciência infinita

Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Nunca

Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Nunca

A nação valente sonha o mito
Estou vivo não desisto
Todos para a frente atrás do grito
Estou cercado mas persisto

Vejo o paraíso na palma da mão
Estou seguro tudo sei
Todos atentos a rasgar o chão
Estou certo lutarei

Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Nunca

Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Nunca

Sobra raiva que nos quer
Presos enfurecidos

No chão onde comemos
Migalha que não há
Grita a alma tudo temos
Liberdade já

Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Nunca

Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Ninguém nos cala
Nunca
Liberdade já
Liberdade já
Liberdade já
Liberdade já

Voltem para as vossas celas
Voltem para as vossas celas
Não ofereçam resistência
Não ofereçam resistência
Voltem para as vossas celas
Track Name: Suficiente Menos
Se tudo o que aprendi
Não me serve p’ra nada
Exames e diplomas
São apenas uma charada

Se no país onde vivo
Ninguém liga ao meu desejo
Os empregos não me vêm
E até eu não me vejo

Faça o que fizer Portugal não me quer
Faça o que fizer Portugal não me quer
Faça o que fizer Portugal não me quer
Não me quer

Se este é o meu grito
O meu grito de revolta
Dor angústia medo
A consciência à solta

Se esta é a verdade
A verdade do meu país
Dor angústia medo
Corto o mal p’la raiz

Faça o que fizer Portugal não me quer
Faça o que fizer Portugal não me quer
Faça o que fizer Portugal não me quer
Não me quer

Se tudo o que aprendi
Não me serve p’ra nada
Exames e diplomas
São apenas uma charada

Se esta é a verdade
A verdade do meu país
Dor angústia medo
Corto o mal p’la raiz

Faça o que fizer Portugal não me quer
Faça o que fizer Portugal não me quer
Faça o que fizer Portugal não me quer
Não me quer

Portugal não me quer
Portugal não me quer
Portugal não me quer
Portugal não me quer
Track Name: Rei Capitão Soldado Ladrão
Há um barco que dispara
Na banheira do-leva o vento
Vejo vinte mil turcos que me esperam
Nos vales da sala de estar

Tenho uma espada de pau e uma vassoura
Que monto para a batalha
Rezo de olhos fechados a lei marcial
Dos cavaleiros da cruz

Há um doido que é rei
Preparado para gritar
Vejo um galo de luta vestido
Para matar com amor

Tenho saudade no coldre de plástico
Seguro com cordel
Rezo lágrimas da terra da luz
Terra do santo que chora

Muito caminhei ao vento
Sozinho como um velho

Sinto a morte sem rosto
Que me ilude ao espelho

Há um destino sangue beato
No império português

Vejo no regaço da rainha pães e lego
Iluminura céu sem chão

Muito me perdi no sonho
Herói como um garoto

Sinto na alma a luz
Acordo e estou morto

Muito caminhei ao vento
Sozinho como um velho

Sinto a morte sem rosto
Que me ilude ao espelho